segunda-feira, 5 de junho de 2017

Século II - Celsus - Contra o Cristianismo




De acordo com Orígenes (considerado um dos pais fundadores da Igreja), Celsus era um filósofo grego do século II (do tempo do imperador Adriano e posterior) e oponente do cristianismo primitivo. Celsus seria bastante conhecido pela sua obra literária, "A Verdadeira Palavra" (ou "Verdadeiro Discurso"), que sobreviveu exclusivamente nas citações de Orígenes dele em "Contra Celsum".

Como filósofo grego anti-cristão, Celsus montou um ataque ao cristianismo. O seu trabalho escrito, que pode ser datado de cerca de 178 EC, é o primeiro ataque abrangente conhecido ao cristianismo.

Orígenes escreveu a sua refutação ou apologia cristã por volta de 248 EC, portanto cerca de 70 anos depois de Celsus. O facto de Orígenes ter investido num extenso texto (muitos volumes) para refutar o trabalho de Celsus, revela que este ainda seria muito importante no tempo de Orígenes.

Recapitulando:
 - por volta de 178 EC, Celsus escreveu "A Verdadeira Palavra" para combater ou denunciar o cristianismo
 - por volta de 248 EC, Orígenes escreveu "Contra Celsus" para refutar o trabalho de Celsus

Entretanto o trabalho de Celsus foi perdido (muito provavelmente por ser uma obra anti-cristianismo), mas pode ser reconstituido a partir do texto de Orígenes. A refutação "Contra Celsus" contém o texto original de Celsus, entrelaçado com as respostas apologéticas de Orígenes. O trabalho de Orígenes sobreviveu e, assim, preservou o texto de Celsus com ele.

O que Celsus sabia sobre o cristianismo seria através de literatura cristã - provavelmente versões primitivas dos evangelhos, principalmente do "Evangelho de Mateus" - e através de literatura judaica que satirizaria os evangelhos, provavelmente o "Sepher Toldoth Yeshu" (a história de Jesus ben Pandera).

Celsus começaria assim o seu ataque ao cristianismo:
Celsus, "A Verdadeira Palavra", reconstrução a partir de Orígenes
As associações, algumas são públicas e de acordo com as leis. Outras, porém, são secretas e ilegais. Deste último tipo é o cristianismo. Os cristãos ensinam e praticam suas doutrinas favoritas em segredo. Eles fazem isso com algum propósito, procurando escapar da pena da morte que é iminente. Perigos semelhantes foram encontrados por homens como Sócrates por causa da filosofia. Suas "festas de amor" tiveram sua origem no perigo comum, e são mais vinculativas do que qualquer juramento. 
O sistema de doutrina, a saber, o judaísmo, do qual o cristianismo depende, era bárbaro na sua origem. Neste caso, como nos outros, os gregos são mais habilidosos do que qualquer outro povo em julgar, estabelecer e tornar práticas as descobertas de nações bárbaras. 
Seu sistema de moral é comum a outros filósofos, sem nada de novo ou venerável na sua instrução, embora eles achem que as suas regulamentações a respeito da idolatria sejam peculiares. Os cristãos não consideram os deuses que são feitos com as mãos, com o argumento de que não é razoável supor que as imagens, formadas pelos mais inúteis e depravados operários, em muitos casos pagos por homens perversos, possam ser consideradas deuses. Esta é uma opinião comum que não é original no cristianismo, pois já Heráclito teria dito para este efeito: "Aqueles que se aproximam de imagens sem vida, como se fossem deuses, agem de maneira semelhante àqueles que conversam com casas". Os persas também eram da mesma opinião, segundo Heródoto.


Celsus mostra-se familiarizado com o judaísmo. Utiliza um artifício literário em que elabora um diálogo fictício entre um judeu anónimo e Jesus:
Celsus, "A Verdadeira Palavra", reconstrução a partir de Orígenes
[O Discurso do Judeu a Jesus]
"Tu, senhor, inventaste o teu nascimento de uma virgem! Tu, Jesus, nasceste numa certa aldeia judaica, de uma pobre mulher do país, que ganhava a sua subsistência na fiação. Quando ela estava grávida, foi expulsa pelo carpinteiro a quem tinha sido desposada, como condenada de adultério, e ela carregou uma criança de um certo soldado chamado Panthera. Depois de ter sido repudiada pelo marido, e vagando por um tempo, ela desgraçadamente deu à luz Jesus, que, criado como filho ilegítimo, se fez servo no Egipto por causa da sua pobreza, e tendo adquirido o conhecimento de certos poderes milagrosos, sobre os quais os egípcios se orgulham muito, retornou ao seu próprio país, exaltado por causa deles, e por meio desses poderes se proclamou um deus. 
"Como é que a ficção de seu nascimento de uma virgem difere das fábulas gregas sobre Danae, Melanippe, Auge e Antiope? Se a mãe de Jesus fosse bela, o deus cuja natureza não ama um corpo corruptível, teve relações sexuais com ela porque era bela. Era improvável que o deus tivesse uma paixão por ela, porque ela não era nem rica nem de posição real, pois nem mesmo os seus vizinhos a conheciam. Quando odiada pelo seu marido, e expulsa, não foi salva pelo poder divino, nem era a sua história credível. Tais coisas não têm conexão com o reino dos céus. A predição de que nosso Senhor deveria vir ao mundo, e o relato da estrela e dos sábios que vieram do Oriente para adorar a criança são ficções [Mateus 2:1]. 
"Quando tu, Jesus, te banhavas ao lado de João, disseste que o que tinha a aparência de um pássaro desceu sobre ti [Mateus 3:16]. Que testemunha credível viu essa aparição? Ou quem ouviu uma voz do céu declarando que eras o filho de Deus? Que prova há, salvo tua própria afirmação ou a afirmação de outra pessoa que foi punida junto contigo? Este é o teu próprio testemunho, apenas apoiado pelos que compartilhavam a tua punição, a quem tu adotas.


Orígenes teria escrito assim sobre o caso do soldado Panthera:
Orígenes, "Contra Celsus", Livro I 
CAP. XXVIII 
E, imitando um retórico treinando um aluno, ele [Celsus] apresenta um judeu, que entra numa discussão pessoal com Jesus e que fala de uma maneira muito infantil, completamente indigno dos cabelos grisalhos de um filósofo. Deixe-me tentar o melhor da minha capacidade para examinar as suas afirmações e mostrar que ele não mantém, durante a discussão, a consistência do carácter de um judeu. Pois ele o representa disputando com Jesus, e confundindo-o, como ele pensa, em muitos pontos.  
Em primeiro lugar, ele o acusa de ter "inventado seu nascimento de uma virgem" e o reprova de "nascer numa certa aldeia judaica, de uma pobre mulher do país, que ganhou sua subsistência na fiação e que foi repudiada pelo seu marido, um carpinteiro de profissão, porque ela foi condenada por adultério, que, depois de ser expulsa pelo marido, e vagando por um tempo, ela desgraçadamente deu à luz Jesus, um filho ilegítimo, que se tornou servo no Egipto por causa de sua pobreza, e tendo adquirido alguns poderes milagrosos, dos quais os egípcios se orgulham muito, voltou para o seu próprio país, muito entusiasmado por causa deles, e por isso se proclamou um deus".
Agora, como não posso permitir que nada que seja dito pelos incrédulos permaneça não examinado, mas deve-se investigar tudo desde o início, dou como minha opinião que todas essas coisas se harmonizam dignamente com as previsões de que Jesus é o Filho de Deus.
... 
CAP. XXXII 
Mas voltemos agora para quando o judeu é apresentado falando sobre a mãe de Jesus e dizendo que "quando ela estava grávida, ela foi repudiada pelo carpinteiro a quem ela tinha sido desposada, como culpada de adultério, e que ela carregou o filho de um soldado chamado Panthera". 
E deixe-nos ver se aqueles que têm cegamente inventado essas fábulas sobre o adultério da Virgem com Panthera e sua rejeição pelo carpinteiro, não inventaram essas histórias para depreciar sua milagrosa concepção pelo Espírito Santo: pois eles poderiam ter falsificado a história de uma maneira diferente, por causa de seu caráter extremamente milagroso, e não admitiram, por assim dizer, contra sua vontade, que Jesus não nasceu de nenhum casamento humano comum. Era de esperar, de facto, que aqueles que não acreditassem no nascimento milagroso de Jesus inventariam alguma falsidade. 
E eles não fazem isso de maneira credível, mas preservam o facto de que não foi por José que a Virgem concebeu Jesus, tornando a falsidade muito palpável para aqueles que podem entender e detectar tais invenções. 
É de todo razoável raciocinar, que aquele que ousou fazer tanto pela raça humana, para que, tanto gregos como bárbaros, que procuravam a condenação divina, poderiam afastar-se do mal, regulando toda a sua conduta de uma maneira agradável ao Criador do mundo, não deveria ter tido um nascimento milagroso, mas um mais vil e mais vergonhoso de todos?  
E eu perguntarei a eles como gregos, e particularmente a Celsus, se mantém ou não os sentimentos de Platão, ja que os cita, se Aquele que envia almas para dentro dos corpos dos homens [no nascimento], degradou assim aquele que ousou assim actos poderosos de ensinar tantos homens, e livrar tantos da maldade no mundo, até um nascimento mais vergonhoso do que qualquer outro, e não o apresentou ao mundo através de um casamento legal?  
Ou não está mais em conformidade com a razão, que toda alma que, por certas razões misteriosas (eu falo agora de acordo com a opinião de Pitágoras, Platão e Empédocles, a quem Celsus frequentemente cita), é introduzida num corpo e introduzida de acordo com os seus desejos e acções anteriores?  
É provável, portanto, que esta alma, também, que conferiu mais benefícios pela sua residência na carne do que a de muitos homens (para evitar alguma depreciação, não digo "todos"), precisava de um corpo não apenas superior a outros, mas investiram com todas as excelentes qualidades.


Podemos verificar a pobreza das respostas de Orígenes aos argumentos de Celsus em todo o texto de "Contra Celsus"...


Referências:
 - http://trisagionseraph.tripod.com/Texts/Celsus.html
 - http://www.earlychristianwritings.com/origen.html


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...