sábado, 29 de junho de 2013

Outras Cartas - Carta aos Hebreus



Carta aos Hebreus

A autoria da Carta aos Hebreus foi tradicionalmente atribuida a Paulo mas nem sequer é “assinada” por Paulo como as outras cartas atribuidas a este autor. No entanto, a sua doutrina tem semelhanças com aquela divulgada por Paulo e é possível que a data da sua composição situe-se por volta de 60 ou 70 EC. É, portanto, provável que o autor tenha origem na mesma “escola” à qual Paulo pertencia.

Os Irmãos do Senhor

O Evangelho Segundo Marcos menciona quatro irmãos e duas ou mais irmãs de Jesus (Marcos 6:3), insinuando que estes eram filhos de Maria ou do pai de Jesus ou de ambos, mas o autor de Hebreus tinha uma opinião diferente sobre quem eram os “Irmãos do Senhor”:
Hebreus 2:11-12 Pois tanto o que santifica como os que são santificados, vêm todos de um só; por esta causa ele não se envergonha de lhes chamar irmãos, dizendo: Anunciarei o teu nome a meus irmãos, cantar-te-ei louvores no meio da congregação.

O autor de Hebreus ensina que qualquer um poderia ser irmão de Cristo. Paulo, numa das suas cartas, exprimiu um parecer semelhante:
Romanos 8:29 Porque os que dantes conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos;

E “Marcos” também produziu um ensinamento semelhante a estes, fazendo com que Jesus afirmasse que os seus verdadeiros irmãos e a sua verdadeira mãe eram aqueles que estavam entre os crentes e não os seus parentes de sangue:
Marcos 3:31-34 Chegaram então sua mãe e seus irmãos e, ficando da parte de fora, mandaram chamá-lo. E a multidão estava sentada ao redor dele, e disseram-lhe: Eis que tua mãe e teus irmãos estão lá fora e te procuram. Respondeu-lhes Jesus, dizendo: Quem é minha mãe e meus irmãos? E olhando em redor para os que estavam sentados à roda de si, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos!

O mais interessante é que parece que estes ensinamentos têm provavelmente origem em alguma organização cujos membros (ou apenas os dirigentes) intitulavam-se “Irmãos do Senhor”. Numa carta de Paulo, o seguinte versículo pode suportar esta hipótese:
1 Coríntios 9:5 Não temos nós direito de levar conosco esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?

Jesus não tinha genealogia

A Carta aos Hebreus menciona uma figura enigmática do Antigo Testamento, Melquisedeque, como sendo uma figura intemporal e eterna.
Hebreus 7:1-3 Porque este Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão quando este regressava da matança dos reis, e o abençoou, a quem também Abraão separou o dízimo de tudo (sendo primeiramente, por interpretação do seu nome, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz; sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote para sempre.

Este autor estaria a afirmar que Melquisedeque seria um modelo para Jesus. Será que era um homem que servia de modelo para Jesus?

Como o Antigo Testamento não deixou nada mais do que duas breves referências sobre Melquisedeque (Génesis 14:17-20; Salmos 110:4), o autor de Hebreus atribuiu-lhe um significado mítico, servindo de modelo para Jesus que seria também uma personagem mítica. À semelhança de Melquisedeque, Jesus não teve nem pai nem mãe nem genealogia! Este autor faz com que as genealogias que os evangelhos de Mateus e Lucas apresentam nos primeiros capítulos pareçam ainda mais descabidas no contexto do Novo Testamento.

Para mais, este autor entendia que Jesus nunca esteve na Terra, pois escreveu a respeito dele o seguinte:
Hebreus 8:4 Ora, se ele estivesse na terra, nem seria sacerdote, havendo já os que oferecem dons segundo a lei

Se este autor soubesse que tinha havido um Jesus Nazareno que tinha andado recentemente pela Terra, diria: “... quando ele esteve na terra, não foi sacerdote...”.

Isto leva-nos também a considerar os seguintes versículos do capítulo 7, na sequência da equiparação entre Melquisedeque e Jesus:
Hebreus 7:13-16 Porque aquele, de quem estas coisas se dizem, pertence a outra tribo, da qual ninguém ainda serviu ao altar, visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, tribo da qual Moisés nada falou acerca de sacerdotes. E ainda muito mais manifesto é isto, se à semelhança de Melquisedeque se levanta outro sacerdote, que não foi feito conforme a lei de um mandamento carnal, mas segundo o poder duma vida indissolúvel.

O autor diz que Cristo não tem genealogia humana mas procedeu (ou provem) da tribo de Judá segundo uma interpretação imaterial das Escrituras Judaicas: se estas previam o Cristo a partir da descendência de Judá, então de alguma forma isso tinha de ser verdade ainda que considerasse Cristo como uma criatura celeste. O que o autor provavelmente queria dizer aos leitores é que o Cristo foi revelado aos judeus e estes é que eram provenientes da tribo de Judá.

Isto está, de certa forma, em harmonia com o que Paulo escreveu na sua Carta aos Romanos:
Romanos 1:1-4 Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus, que ele antes havia prometido pelos seus profetas nas santas Escrituras, acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de David segundo a carne, e que com poder foi declarado Filho de Deus segundo o espírito de santidade, pela ressurreição dentre os mortos - Jesus Cristo nosso Senhor


Em muitas traduções de Romanos a expressão “... procedeu da descendência de David” foi trocada por “... nasceu da descendência de David” para ligar esta passagem à existência física de Jesus Nazareno. E pode ser que a expressão original de Paulo tenha sido “... descendência de Judá” (ou nenhuma, pois pode tratar-se de mais uma inserção).



2 comentários:

  1. É incrível como existem pessoas de corações rochosos persistentes em fazer calunias á um povo tão santo e justo!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...