sábado, 6 de outubro de 2012

Evangelho Segundo Marcos - Jesus de Onde?




O nascimento de Jesus

O livro Marcos, ao contrário dos outros evangelhos sinópticos (Mateus e Lucas), não fornece nenhuma descrição sobre o nascimento de Jesus. No entanto podemos ler as seguintes informações no livro:

-          a mãe chama-se Maria, mas não se refere que ela concebeu o filho quando ainda era virgem;

-          tem irmãos e irmãs, mas não há uma única referência a um pai, nem a nenhuma descendência de sangue real (mais adiante vamos analisar uma referência a Jesus como “filho de David”);

-          menciona-se Nazaré, mas não Belém;



A família

As únicas referências, em Marcos, a elementos da família natural de Jesus estão nos seguintes textos:
Marcos 3:20-34 Depois entrou numa casa. E afluiu outra vez a multidão, de tal modo que nem podiam comer. Quando os seus ouviram isso, saíram para o prender; porque diziam: Ele está fora de si. ...Chegaram então sua mãe e seus irmãos e, ficando da parte de fora, mandaram chamá-lo. E a multidão estava sentada ao redor dele, e disseram-lhe: Eis que tua mãe e teus irmãos estão lá fora e te procuram. Respondeu-lhes Jesus, dizendo: Quem é minha mãe e meus irmãos!? E olhando em redor para os que estavam sentados à roda de si, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos! 
Marcos 6:3 Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, de José, de Judas e de Simão? e não estão aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se dele.

Podemos perceber que, segundo Marcos, a família de Jesus era composta pelo seguintes elementos:
-          a mãe, que se chama Maria;
-          pelo menos quatro irmãos com os nomes Tiago, José, Judas e Simão;
-          pelo menos duas irmãs (“... suas irmãs...”);

Não se encontra em Marcos nenhuma referência a um pai de Jesus, e muito menos que se chamava José. Pelo contrário, ao identificar-se um indivíduo apenas pela sua filiação materna (“não é este... o filho de Maria...?”), poderia ser interpretado como sendo filho de pai incógnito, resultando numa evidente depreciação.

Pelo texto de Marcos 3:20-34, transcrito acima, também podemos concluir que a mãe e os irmãos de Jesus presumiram que ele estava louco, por estranharem ao vê-lo no papel de pregador e curandeiro. Neste relato também transparece que Jesus cortou irrevogavelmente a ligação com a sua familia, porque Jesus repudia os familiares e estes não constam em mais nenhum dos episódios relatados por Marcos. Nem sequer estão presentes quando Jesus é condenado à morte e executado!


Sangue Real, filho de David?

De modo a melhor enquadrar-se na categoria do tão aguardado Messias, em Mateus e Lucas há uma preocupação de mostrar que Jesus era descendente (“filho”, num sentido lato da palavra) do rei David, sendo, portanto, de linhagem real e potencial herdeiro de um trono. Por isso, estes dois evangelhos apresentam duas elaboradas genealogias de Jesus.

Em Marcos não há essa preocupação, porque a única referência a Jesus como sendo filho de David, provavelmente resulta do pobre conhecimento do autor sobre os judeus e não com uma preocupação de mostrar que Jesus teria direito a um título de realeza. O autor utiliza a expressão “filho de David” como quem utiliza a expressão “filho de Abraão” ou “filho de Israel”. Vejamos a única passagem, em Marcos, onde Jesus é chamado de “filho de David” por alguém:
Marcos 10:47-48 Este, quando ouviu que era Jesus, o nazareno, começou a clamar, dizendo: Jesus, Filho de David, tem compaixão de mim! E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava ainda mais: Filho de David, tem compaixão de mim.

Logo a seguir, no episódio da entrada triunfal em Jerusalém, a multidão clama como se todos os judeus fossem filhos de David (“bendito o reino de nosso pai David”).

Marcos 11:7-11 Então trouxeram a Jesus o jumentinho e lançaram sobre ele os seus mantos; e Jesus montou nele. Muitos também estenderam pelo caminho os seus mantos, e outros, ramagens que tinham cortado nos campos. E tanto os que o precediam como os que o seguiam, clamavam: Hosana! bendito o que vem em nome do Senhor! Bendito o reino que vem, o reino de nosso pai David! Hosana nas alturas! Tendo Jesus entrado em Jerusalém, foi ao templo; e tendo observado tudo em redor, como já fosse tarde, saiu para Betânia com os doze.

De facto, os judeus consideram-se descendentes de Abraão ou de Jacob (que também foi chamado Israel), mas não descendentes do rei David. Isto porque Abraão e Jacob é que são considerados os patriarcas da nação e etnia israelitas, não o rei David. Chamar os judeus de “filhos de David” seria o mesmo que dizer que os portugueses são descendentes de D. Manuel I.

Continuando a ler o relato de Marcos, vemos que Jesus ensina no templo que o Messias não pode ser descendente do rei David. Jesus cita um versículo de um poema atribuído ao próprio rei David e registado no Antigo Testamento (Salmos 110:1):
Marcos 12:35-37 Por sua vez, Jesus, enquanto ensinava no templo, perguntou: Como é que os escribas dizem que o Cristo é filho de David? O próprio David falou, movido pelo Espírito Santo: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés. David mesmo lhe chama Senhor; como é ele seu filho? E a grande multidão o ouvia com prazer.

Por tradição, o verso de Salmos 110 foi atribuido ao próprio rei David com o seguinte texto: “disse Yahveh ao meu Senhor...” (em muitas traduções esta frase fica confusa, ao aplicar-se o mesmo título de “Senhor” a Deus e ao Messias numa só frase).

Salmos 110:1 Disse Yahveh ao meu Senhor [entendido como o Messias]: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés.

Parece que este era um verso muito popular, frequentemente citado na literatura judaica da época. Jesus citou o verso e tentou então provar que a ideia de um Messias descendente de David seria um absurdo, advogando que David nunca iria chamar “Senhor” a um descendente seu. Não discutindo a validade do argumento de Jesus (segundo o texto de Marcos), conseguimos perceber qual a conclusão a que esta personagem queria chegar: “o Messias não tem de ser descendente de David, portanto eu, um simples carpinteiro galileu, posso muito bem ser o Messias”.

Marcos (que foi escrito por volta de 70 EC) poderia começar assim:
"há quarenta anos atrás, existiu um Messias, que foi tão discreto que, naquela época, ninguém se apercebeu da sua existência, porque não era de descendência real. Ele era praticamente um anónimo".


Nazaré e nazareno

A narrativa de Marcos dá a entender que, em tempos, houve alguém conhecido por “Jesus Nazareno” (heb. Yeshu ha-Notzri). Agora vamos analisar se esta designação seria equivalente a “Jesus da Nazaré, da Galiléia”.

Em Marcos, a designação Nazaré” é usada apenas uma vez (Marcos 1:9) enquanto o adjectivo “nazareno” é usado quatro vezes:
Marcos 1:9 E aconteceu naqueles dias que veio Jesus de Nazaré 
Marcos 1:24 Que temos nós contigo, Jesus, nazareno 
Marcos 10:47 Este, quando ouviu que era Jesus, o nazareno 
Marcos 14:67 e, vendo a Pedro, que se estava aquentando, encarou-o e disse: Tu também estavas com o nazareno 
Marcos 16:6 Ele, porém, lhes disse: Não vos atemorizeis; buscais a Jesus, o nazareno, que foi crucificado; ele ressurgiu; não está aqui; eis o lugar onde o puseram.

Ora, os historiadores têm dificuldade em identificar uma localidade com o nome Nazaré na Galiléia do tempo de Jesus. Nem o Antigo Testamento nem as obras de Flávio Josefo mencionam a existência de Nazaré. Partindo do princípio que até existia uma localidade chamada Nazaré de onde Jesus seria originário, esta seria insignificante demais para ser utilizada como meio de identificação de Jesus.

Daqui surge, então, a questão se a palavra “nazareno” referia-se a um adjectivo relativo a uma origem geográfica ou se seria a classificação de alguém pertencente a uma seita ou grupo. Esta última hipótese é reforçada pelo seguinte texto no livro dos Actos dos Apóstolos:
Actos 24:5 Temos achado que este homem é uma peste, e promotor de sedições entre todos os judeus, por todo o mundo, e chefe da seita dos nazarenos;

Neste texto de Actos, um homem chamado Tértulo, acusa Paulo de ser um agitador e “chefe da seita dos nazarenos”. Aqui, a palavra “nazarenos” é evidentemente usada para designar membros de uma seita religiosa.

E, em Marcos, embora o protagonista seja designado uma vez como “Jesus de Nazaré”, a única localidade descrita como morada conhecida de Jesus é Cafarnaum, como podemos verificar pelo seguinte texto:
Marcos 2:1 Alguns dias depois entrou Jesus outra vez em Cafarnaum, e soube-se que ele estava em casa.

Continuando a ler este episódio, cuja acção localiza-se em Cafarnaum, apercebemo-nos que a família de Jesus também lá morava, pois é lá que decorre o incidente em que a família o quer deter por achar que “estava fora de si”.

Mais à frente, em Marcos, podemos ler uma passagem em que Jesus “foi para a sua terra”. Não há uma identificação explícita de que essa terra seria a localidade de Nazaré.

Marcos
Mateus
Lucas
Marcos 6:1-6 Saiu Jesus dali, e foi para a sua terra, e os seus discípulos o seguiam. Ora, chegando o sábado, começou a ensinar na sinagoga; ... Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, de José, de Judas e de Simão? e não estão aqui entre nós suas irmãs? ...
Mateus 13:54-58 E, chegando à sua terra, ensinava o povo na sinagoga, ... Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, José, Simão, e Judas? E não estão entre nós todas as suas irmãs? ...
Lucas 4:16 Chegando a Nazaré, onde fora criado; entrou na sinagoga ... e diziam: Este não é filho de José?


Apenas “Lucas” tratou de harmonizar o texto com a ideia de Jesus ser originário de uma localidade chamada Nazaré.

Será que o cristianismo teve na sua fundação um grupo judaico cujos membros eram apelidados de “nazarenos” (heb. notzri; plural notzrim)? Vejamos os argumentos a favor desta hipótese:
-          o Antigo Testamento menciona uma consagração religiosa chamada de voto “nazireu” (heb. notzri); este voto poderia ser por tempo limitado ou por toda a vida;

-          as descrições que os evangelhos fazem de João Baptista são semelhantes às descrições dos nazireus do Antigo Testamento, sendo provável que este fosse nazireu;

-          como Jesus foi baptizado por João Baptista, Jesus também teria aderido ao voto nazireu;

-          ainda hoje, e desde há dois mil anos, a única palavra em hebraico que existe para traduzir “cristão” é “notzri”;

-          em hebraico, “Jesus Nazareno” é referido como “Yeshu ha-Notzri”;


Nas passagens onde ocorre a palavra “nazareno”, nos manuscritos gregos aparece umas vezes como nazoraio e outras vezes como nazarene. Ora, segundo alguns autores, nazoraio é uma transliteração do aramaico natzoriya que, por sua vez, veio do hebraico notzri.

Podemos presumir, para já, que o “erro” que o autor cometeu em Marcos 1:9 (“... veio Jesus da Nazaré da Galiléia ...”) pode ter tido uma das seguintes origens:

-          “Marcos” não entendeu que a designação “Nazareno”, que complementava o nome de Jesus, respeitava à sua prévia filiação religiosa e, portanto, assumiu que designava a sua origem geográfica;

-          “Marcos” quis demarcar Jesus de sua prévia filiação religiosa e, portanto, modificou a utilização da palavra “Nazareno”;

-          “Marcos” estava a escrever sobre uma personagem fictícia, Jesus Nazareno, e, por isso, apontou a Nazaré, uma cidade fictícia, como a sua terra de origem;

-          “Marcos” (isto é, o autor de uma versão original) não cometeu este “erro”; teria escrito apenas “... veio Jesus da Galiléia ...”, mas posteriormente foi inserida a designação “Nazaré” para se harmonizar com os textos de outros evangelhos.


7 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk só rindo!
    Li a introdução e pude perceber que você não tem nem um pingo de interpretação de texto.
    Os irmãos achavam que ele estava louco, porque era o início do seu ministério. Eles não esperavam que Jesus fosse fazer aqueles milagres, ou arrastar multidões. Isso se deu quando ele tinha 30 anos (até 33)
    Então.. por isso que eles se espantaram
    Outro comentário..
    Quando ele diz que agora sua família eram aquelas pessoas, se referiram ao Reino de Deus. Como todos sendo irmãos, porque se tornaram filhos do Altíssimo.
    Marcos não precisa citar um pai, terreno, carnal, porque José não transou com Maria para gerá-lo! Jesus foi concebido através de um Milagre.
    Jesus é Deus. Ele veio em carne, pois Deus usou uma linguagem antropológica, antropopática, para nós podermos assimilar.
    Agora vem você, merdinha de nada, querer fazer uma crítica à bíblia com referencias de outros textos de outras pessoas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SALVE SALVE O DONO DA VERDADE ABSOLUTA! QUEM OFENDE E XINGA O PRÓXIMO, É PORQUE NÃO TEM ARGUMENTOS! PARECE COISA DE EVANGÉLICOS... RAIVOSOS E RESSABIADOS, DONOS DA VERDADE, #SQN. BEBEM DE ALMEIDA E TEOLOGIAS MEQUETREFES E OCIDENTAIS. NÃO CONHECEM AS TRADIÇÕES DOS HEBREUS ! E MUITO MENOS IMAGINAM A DIMENSÃO DO ENGANO.

      Excluir
  2. "Os irmãos achavam que ele estava louco, porque era o início do seu ministério. "

    E a mãe também achou que ele estava louco. Provavelmente esqueceu-se que Jesus era filho de Deus.
    Maria esqueceu-se que ficou grávida por conta de Deus.

    ResponderExcluir
  3. O lendário judeu Jesus a quem depois foi dado o nome grego de Cristo,segundo consta no Novo Testamento,êle aos doze anos,como menino prodígio,no Templo com suas palavras,deixou espantados os Sacerdotes.Mas depois disto não mais se fala nêle e só aos 30 anos surge em público a prégar uma doutrina que chocava com a dos Patriarcas Abraão e Moisés e isso levou-o a que fôsse considerado rebelde e inimigo do Império romano,tendo sido condenado à morte.Mas sucede que na Índia há uma Seita religiosa que afirma que Jesus esteve lá.Se isto é verdade,pode admitir-se que o jovem Jesus tivesse ido nalguma caravana de mercadores até à Índia e lá tivesse «bebido» no Induísmo outras noções religiosas e tivesse aprendido artes de magia,de ilusionismo,de prestidigitação e de hipnotismo,de malabarismo e uma vez regressado à Palestina começou a prégar uma religião diferente e os truques de magia que exibia eram considerados milagres.

    ResponderExcluir
  4. Situando TUDO, nazareno vem da ordem de nazar dos essênios ... bora estudar e pesquisar galera!!

    ResponderExcluir
  5. Quais o historiadores que tem dificuldades em localizar a Nazaré bíblica? Já sei, as que estudaram na universidade anexa ao prostíbulo da senhora sua progenitora, acertei? Seja ateu, mas mentiroso e burro, não, por favor!!!

    ResponderExcluir
  6. O termo "filho de Davi" se referia à crença popular da época, na qual o messias seria descendente do rei Davi. Nada tem haver com seu local de nascimento. As profecias do Antigo Testamento em nenhum lugar dizem que o messias seria descendente de Davi, apenas que aquele restauraria o reino deste último. Lucas afirma claramente que os pais de Jesus (Maria e José) habitavam em Nazaré, mas o menino Jesus foi parido em Belém. O Antigo testamento, bem como Josefo não citam várias cidades, não apenas Nazaré. Sim, esta cidade é descrita por vários especialistas, inclusive ainda hoje há na Galileia uma cidade de nome Nazaré. Seria um homenagem a Jesus ou herança cultural da antiga cidade???

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...